sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Ódio

Ele odiava a maior parte do tempo.
Quando amava, era um amor cansado,
escapava entre frestas,
pois odiar é um verbo ativo
que se cozinha em fogo baixo.

TAIASMIN OHNMACHT

domingo, 11 de novembro de 2012

Porto Alegre


Taiasmin Ohnmacht

 

- Andou fazendo arte?

- Eu não sou criança.

O diálogo não começou bem, mas Cassandra pensou que era um comentário realmente idiota para fazer a um senhor de setenta e oito anos de idade.

            Sete horas da manhã, a clínica estava vazia, exceto pelo senhor sentado em uma cadeira de rodas na sala de espera. Ele aguardava para fazer um rx de fêmur, enquanto sua esposa, na recepção, tentava entender por que o plano de saúde não liberava o exame. Já com todo o material preparado e acostumada a este tipo de procedimento, Cassandra resolveu conversar com o idoso, cuja ficha informava chamar-se Emílio.

 

- Arte. E tem quem diga que aquilo é arte. Para mim é só pichação, sujeira.

- Picharam sua casa? – Cassandra tentava entender do que aquele senhor estava falando.

- E como a senhorita pensa que eu machuquei minha perna? Os jovens acham que a cidade é só deles e ainda por cima a tratam mal. Imagina, sujar ruas, destruir praças, roubar fiação pública, quem eles acham que paga por isso, afinal?

Cassandra fez um breve comentário sobre o imediatismo juvenil.

- Senhorita, eu também já fui jovem, estas ruas também são minhas. Aqui nasci, cresci, amei e ainda vivo. Ainda vivo, entendeu?

Então Cassandra perguntou em que bairro ele morava.

- No bairro Petrópolis. Perto da casa da estrela. Nós temos uma associação de moradores do bairro pela preservação daquela casa. Uma casa linda na Rua Guararapes com uma imensa estrela no jardim. Arquitetura única! Infelizmente, parece que perdemos a batalha. Ela está ficando em ruínas. – após um suspiro ele continuou. – Eu moro naquele bairro há cinquenta anos. Lá criei os meus filhos e, na mesma casa, recebo meus netos. A senhorita mora aonde?

Cassandra adorava uma boa conversa e, animada, respondeu que morava na Plínio Brasil Milano.

- Ah, antiga Estrada da Pedreira! Muitos carnavais eu brinquei lá! Clube? Não. Carnaval de rua, mesmo. E eram divertidos! Com muitas Colombinas e lança perfume. - de repente olhou sério para Cassandra e complementou – Naquela época era permitido.

Cassandra achou graça e comentou desconhecer a história de sua região.

- Eu tive uma namorada que morava por aqueles lados. Muitos olhares e beijocas aquelas esquinas presenciaram. – Emílio falou esta frase em voz baixa e comentou, ainda, que sua esposa era ciumenta. – Quando nasci morávamos na Cidade Baixa. Um bairro antigo, sabe? Lá vivi a enchente de 41. A senhorita é tão novinha que nem deve saber do que se trata! Enfim, ficamos desabrigados e acabamos nos mudando para o Centro, Altos da Bronze. Naqueles tempos o Centro era o que havia de melhor na nossa cidade para um rapaz que se via com todo um futuro de possibilidades pela frente. Hoje está tão sujo...Sabe, eu estava tentando limpar. Subi no muro para tentar limpar a parede de minha casa. Alguém pichou na madrugada. Então, caí. Agora aqui estou. Não sou mais criança, mesmo.

            Cassandra iria falar algo, mas a esposa de Emílo entrou na sala de espera se queixando dos desmandos do plano de saúde. Ele fez o exame, Cassandra não era médica, por isso não disse a ele, mas viu que não se tratava de uma fratura. Ela despediu-se daquele senhor muito pensativa e, naquele dia, saiu para a rua olhando a cidade com carinho e respeito, sentindo-se pequenina diante de tanta história.

 

Taiasmin Ohnmacht

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Estação de Meu Encanto

 
Vem, Primavera,
Jogue sol nessa casa,
Espante os fantasmas
De minha alma perdida.

Vem, Primavera,
Tome meu corpo de alegria,
Ninguém reclamará se por um dia
Eu parecer possuída.

Vem, Primavera,
Sussurre em meu ouvido
Cantos de pássaros,
Promessas de um recomeçar...

Taiasmin Ohnmacht

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Comunhão

Parar
olhar o mar
escutar as ondas
ter a benção do sal da água
e entre o céu estrelado
e o mar escuro
ser o elemento ínfimo
mas necessário.

Taiasmin Ohnmacht

Tempo

O tempo passa na minha face,
nas minhas mãos...
Eu assisto no camarote do espelho.
Passividade em pessoa.

Taiasmin Ohnmacht